África do Sul

Você sabia?

indicator value unit
População 52.4 mil.
Visitantes por ano 14.5 mil.
Energia renovável 11.0 %

Como vai a vida?

Desde 1994 a África do Sul vem obtendo grandes progressos na redução da pobreza absoluta, implantando subsídios sociais para aposentados, inválidos e crianças. O acesso à educação, à moradia, à água, e à energia elétrica e a outros serviços tem sido consideravelmente facilitado. Em consequência, o bem-estar tem aumentado de maneira substancial. Todavia, o desempenho da África do Sul é notável apenas no que diz respeito a alguns indicadores de bem-estar em comparação com a maioria dos outros países no Índice para uma Vida Melhor. O status da África do Sul beira a média no que se refere às conexões sociais, e situa-se abaixo dela nas dimensões de renda e riqueza, emprego e rendimentos, habitação, estado da saúde, educação e qualificações, qualidade do meio ambiente e segurança pessoal.

Embora o dinheiro não possa comprar a felicidade, é um meio importante para atingir padrões de vida mais elevados. Na África do Sul, a renda média per capita líquida disponível e ajustada por família é de USD 8.712 por ano, inferior à média da OCDE que é de US$ 29.016 por ano.

Um fator-chave por detrás da elevada desigualdade de renda é a baixa taxa de emprego, especialmente no que diz respeito aos negros sul-africanos. A remuneração do trabalho de cerca de 43% das pessoas na faixa de 15 a 64 anos na África do Sul é inferior à média de emprego, de 66%, na OCDE. Cerca de 49% dos homens têm trabalho remunerado, em comparação com 37% das mulheres. Na África do Sul, cerca de 18% dos empregados cumprem jornadas de trabalho mais longas, acima da média da OCDE, de 13%. 22% de homens cumprem uma jornada maior, em comparação com os 13% constatados entre as mulheres.

Boa educação e qualificações são requisitos importantes para encontrar um emprego. Na África do Sul, 65% dos adultos na faixa de idade de 25 a 64 anos concluíram o ensino médio, uma proporção maior do que a média da OCDE, de 76%. Mais homens do que mulheres estão nessa situação, já que quase 66% dos homens concluíram com êxito o ensino médio em comparação com 64% das mulheres.

Em termos de saúde, a expectativa de vida ao nascer, na África do Sul, é de 57 anos, 23 anos abaixo da média da OCDE, que é de 80 anos. A expectativa de vida para as mulheres é de 59 anos, em comparação com a idade de 55 anos para os homens. O nível de PM2.5 atmosférico – minúsculas partículas poluentes na atmosfera pequenas o suficiente para invadir e causar danos aos pulmões – é de 14,4 microgramas por metro cúbico, inferior à média da OCDE, de 14,05 microgramas por metro cúbico. O desempenho da África do Sul em termos de qualidade da água situa-se abaixo da média da OCDE, de 81%, com 69% das pessoas declarando estar satisfeitas com a qualidade das suas águas, abaixo da média da OCDE, de 81%.

No que se refere à esfera pública, existe um elevado sentimento de comunidade na África do Sul, onde 90% das pessoas consideram que conhecem alguém em quem poderiam confiar em caso de necessidade, acima da média da OCDE, de 88%. A afluência às urnas, um indicador da participação dos cidadãos no processo político, foi de cerca de 73% durante as recentes eleições. Este valor é inferior à média da OCDE, de 68%.

Para obter mais informações sobre as estimativas e anos de referência, consulte a seção de Perguntas Frequentes e a Base de Dados do BLI.

Quesitos

África do Sul em detalhes